domingo, janeiro 10, 2010

PARC DOWNSVIEW PARK TORONTO CANADA

.





TORONTO ROCKS


Estamos no Canadá dia 30 de julho de 2003, que veio a se tornar o dia mais sensacional da experiência mundial do rock and roll. Foi o dia que mais venderam bilhetes unitarios da historia, foram 490 mil ingressos singles. Todos os creditos a este show são válidos partindo da premissa que os Stones tocaram com ACDC no palco em uma jam fantastica é com certeza memoravel. Toronto Rocks foi realizado no terreno do aeroporto de Downsview. Parc Downsview Park Toronto Canadá este é o título deste dvd que reuniu, uma cambada de veteranos para uma platéia que chegou perto dos numerais de Woodstock, como a segurança, fartas praças de alimentação e cercas inderrubáveis. Abertura ficou a cargo de dois dos maiores hilarios do rock Jim Belushi, ator principal de uma série onde ele ensaia uma banda de blues na garagem de sua residência. Dan Aykroyd que fez dupla com John Belushi em os irmãos cara de pau e se deu bem, aqui ele vem com os The Have Love Will Travel Revue e fazem a abertura divertidissima com rhytm blues. Neste momento entra no palco o elefante, o coelho, o The walrus e uma parafernalia de seres animados do plantão sorriso que fazem uma homenagem as crianças hospitalizadas. Guess Who mostra como é bom ser veterano e ter uma voz imutavel, conhecimento de palco, musica cheia e muita presença, já que seu sucesso American Woman volta a tona. The Isley Brothers vem ao palco, com um vocal único, femeas saborosas dançando, e um guitar de dar nó em Jimi Hendrix. O menino Justin Timberlake, sucesso nas telas, nas danças passou pelo palco assina a produção junto com os Stones neste momento le-se Mick Jagger. The Flaming Lips bateram o cartão de presença. O Rush e suas máquinas de lavar roupa estavam bem a vontade em sua terra natal.
A melhor cena ficou com ACDC que pegou o final da tarde no palco e entrou com o crepusculo noite a dentro deixando o encerramento para os Stones neste momento figurinhas carimbadas deste festival, e que tinham sua Logo na frente no teto do palco. Os Stones entram e arrasam quarteirões como era de se esperar, aí acontecem as cenas que fazem valer este DVD, mister Jagger convida ao palco o garoto Justin para acompanha-lo em uma musica, Justin entra meio que indeciso ou inesperado, faz seus passos que não combinam com Jagger e começa a circular no palco seguindo-o como um mixê do grande vocalista, então o povo começa a jogar garrafas de água nele, alguns chegam a vaiar, nisso senhor Keith toma a frente e mete a bronca nos caras que estão incomodando, fazendo sinais que esta vendo quem esta atrapalhando e se continuar vai se ver com ele lá fora, senhor Jagger inabalavel termina a canção rapidinho e dispensa a figura incrementada.
Então acontece a melhor cena do espetáculo, os irmão Young, adentram o palco e iniciam uma jam com os Stones fora de série. Um blues rasgado infesta o palco e o clima dobra em vibrações e a platéia vai aos céus. Angus para mim, é um ser interplanetário, avançado na idade e toca incansável, no Morumbi 2009, ele toca duas horas e ainda faz um solo interminável, sem camisa, maor vento e o o cara tá ali cem por cento parece estar pronto para iniciar tudo novamente. A importância deste festival fica com esta jam open air que nuca mais devem acontecer, os dois big astros não tocam mais em eventos desta magnitude, só em shows exclusivos. o Canada faz parte da história dos Stones, quando Richards foi expulso do Reino Unido, o Canada foi o único pais que abrigou a banda. No show em 1997, Keith coloca a madame do primeiro ministro dentro de um case e tenta tira-la do país. As lendas que povoam este grupo são quase do tamanho de seus palcos. Toronto 2003, com certeza ficou nas páginas desta grande enciclopédia da vida dos Stones que ainda falta algumas páginas para encerrar. A melhor deles é dizerem que nunca ganharam tanto dinheiro em turnes como no Brasil em 2008 em apenas 1 show. Eles são abençoados, graças a Brian Jones.

domingo, janeiro 03, 2010

Mais jovem do que ontem


THE BYRDS - YOUNGER THAN YESTERDAY

Este album dos The Byrds de 1967 confirma a tendência dos dias de hoje quanto ao rock que anda correndo por aí. A busca incansável das bandas pelo passado tanto no visual das guitars, como guarda roupa e letras mais simples como o folk e os beatles. The Byrds é uma legitima banda americana trazendo na bagagem o apelo forte do folk inglês e a esperança branca as bandas de serem mais jovens que ontem. A principio eram para serem uma banda white rock, uma banda presbiterana, cantando hinos e canções religiosas. Seu vocal é perfeito para isso. Com o interesse de Bob Dylan pela harmonia da banda a coisa foi direcionando para o rock simbolicamente panfletário de Dylan. The Byrds trazia a forte presença de David Crosby, que apavorava o sitema definindo fortemente as bases da banda. Um coral de igreja e um apelo forte nas guitarras, fazem dos The Byrds uma banda de extremas mudanças que aconteciam ao seu redor. Antes de Yonguer Than Yesterday, eles criaram o acid rock com o album Fifth Dimension em 18 de julho de 1966. Com a apresentação em Monterey Pop Festival, 1967 David Crosby assumiu as pontas entre uma musica e outra discursando no palco verdades sobre a morte do presidente Kennedy e os beneficios do LSD, a banda o despediu. Ele se juntou com Stephen Stills e Grahan Nash para o Crosby, Stills & Nash. Em Londrina chegando de Curitiba em 1967 com meus novos lançamentos adquiridos em vinil conheço uma figura que tem os albuns iniciais como o Mr. Tambourin Man o number 1 e Turn ! Turn ! Turn ! o segundão ambos de 1965. Os dois são típicos direcionamento a musica religiosa ou a musica branca. A banda do cara tirava as musicas dos The Byrds. Chamavam de Eles. Luis o mentor silencioso, uma guitar de seis cordas afinadas para baixo, Paulinho Berttin na batera tinha todos os albuns dos Stones da época. Marinho na guitar base e Sailumba na guitar contra base e vocal especializados em Stones e Byrds. Ficamos amigão e fomos a galeria Marchesini na Av. Rio de Janeiro encomendar o album Younger Than Yesterday, uma semana depois estavamos no restaurante Chan na R. Benjamin Constant comemorando o raro sucesso de encomendar um album , não imaginavamos que tinha um antes o Fith Dimension e a banda estava acabando neste album, onde as guitars de Jim McGuin fizeram o diferencial da banda. Guitars Rikenbacker de seis e dozes cordas, trazendo uma sonoridade alta para as edições das musicas da banda, eram a atração junto com o vocal bíblico que Dylan gostava muito. Quem diria que os Byrds tiveram cover em Londrina.

Conferindo a discografia :

01.-Mr.Tambourine Man - 16-06-65
02.-Turn! Turn! Turn! - 06-12-65
03.-Fifth Dimension - 18-07-66
04.-Younger Than Yesterday-20-02-67
05.-The Notorius Byrds Brothers-03-01-68
06.-Sweetheart of the Rodeo-22-07-68
07.-Dr.Byrds &Mr. Hyde-30-02-69
08.-Ballad of Easy Rider-27-10-69
09.-Untitled-16-09-70
10.-Byrdmaniax-03-06-71
11.-Father Along-17-11-71
12.-Byrds- 03-73
13.-Live at the Filmore-february 1969-02-2000

Acompanhei esta discografia até 1970, quando as escolhas e os estilos divergiram.

2ª Demo do Preto Fosco - Flat Black Pack


Ricardo Pigatto , Krau, Diego e Jp estão incansáveis no treinamento básico.
A 1º Demo saiu já com sucesso de arrasar quarteirões com o título de manifesto carnivoro sucesso imediato e minha professora pega carona sendo a segunda mais pedida na listagem da página deles.
Agora a segunda demo vem com uma musica que é um relatório da sua filha é bom ouvir, tão boa como as outras quatros da primeira em estudio e de bônus duas ao vivo sujas, casca, não editadas, puro bootleg só para mostrar o peso que o Flat Black Pack consegue quando ao vivo. Ricardo disse em primeira mão que a banda esta pronta para derrubar paredões, represas e encarar garagens, fechar repúblicas e chacaras vai encarar. Krau tá com a guitarra mais incendiaria do momento, velocidade ritmica e frases ativadas. Ricardo tem o melhor vocal do circuito rock da city. JP e Diego , o baixo e batera empurram a dupla lá para frente e o inferno fecha as portas. São 5 musicas de estudio e duas ao vivo. Acesse Flat Black Pack, tem orkut, my space, twiter, se vira. O ano de 2010 tem dono.

Burning Wheels



Este é o terceiro álbum deste power trio. Burning Wheels. O que eles tem de sobra é o clima dos anos 70 prá distribuir nos shows. Os catarinenses la dá divisa com o Rio Grande do Sul, tem as cordas de aço dos violões ativadas. Trio é sonorização pegando rápido. É o dente de SABRE indo fundo no rock n'roll.São 9 tracks ácidos e pegajosos. As frases fortes e noturnas da guitarra não deixa esquecer das grandes fogueiras de vigílias no canyon em grandes reuniões. Seu designer é de estrada sobre duas rodas. Lá vão eles para estrada de novo com o terceiro nas mãos, é só mais uma vez.

Timo Tolkki - Stratovarius



Turnê MasterClasses e Pocket Shows em 17 cidades brasileiras em 23 dias.
Mister Tolkki considerado um dos melhores e mais rapido guitarrista do planeta, extremamente tecnico trazendo uma formação de musica clássica em suas composições. Passou por 17 cidades brasileiras em 23 dias. Dia de 10 dezembro foi a vez de Londrina na sala da Sonkey para um seminario sobre guitarra. Timo falou com plateia sobre sentimento, feeling que voce guitarrista deve passar atraves de seu instrumento. Foram varios exemplos, interação total com a platéia. Um dos exemplos mais forte foi falar sobre a familia, dizendo estar em 20º positivo enquanto sua familia esta à 20 negativos e no natal estarão a 60 negativos, e grande duvida se chegaria a tempo para o Natal. Timo é de Helsinque na Finlândia, terra do papai Noel. Com a guitarra na mão o ambiente mudou, cresceu com sua musica que foi realmente alem do infinito. Toca duas melodias, a primeira esta editada no album Guitar Heroes, que lhe rendeu uma filmadora HD, sua paixão. A segunda musica mostra por que veio e falou de sensibilidade, com frases profundamente sentimentais, que abalam corações, quando pilotava o Stratovarius onde foi guitarrista de 1985 a 2008 e no vocal ficou de 1985 a 1994, uma banda metal melódico. Suas musicas pegaram forte silenciando a plateia atenta e forte. Convida interessados a subir ao palco, eles não fazem por menos, Rafael encara um Smoke on the water a maior influência de Timo, e o teto extremece quando iniciam Holly Diver de Dio, a platéia canta junto. Timo disse conhecê-lo pessoalmente e gostaria de ter um vocal como o dele, referência maxima , pediu que oremos pelo Dio que aos 70 anos, esta com cancer. Entra sua banda de apoio para um pocket show para um numero limitado de cabeças alinhadas e sabendo tudo sobre sua obra. Uma super banda inicia um set list com musicas do projeto Revolution Renaissance onde o vocalista Gus Monsanto radicado na europa e Bruno Agra batera fazem parte. Em Londrina se juntaram a ele Ederson Prado em um baixo de 6 cordas que fiou pequeno em suas mãos, Prado é um novo londrinese, e Marcelo Moreira do Almah/Burning Hell fez a bateria. Pocket show é da hora, estar perto do idolo, foi o maximo, todos cantando os refrões, e o pique a mil. Sr. Timo mostrou o que ele construiu em 30 anos de banda, mostrou sua velocidade, seu balanço, seu bit, sua sensibilidade e carisma extremeceram o ambiente que chegou vazar lá pro Potiguá.

DETALHES:

Timo foi sincero quando disse como são babacas muitos dos superbes guitarristas, tem uns que são bundões e outros são chatos, a maioria são egocentristas, ele é um deles.

Odeio é uma palavra comum em seu vocabulário.
Ele odeia os Marshals, os maiores amplificadores da terra, os mais pesados, ele não se da bem, emendou dizendo que os marshals servem para ir pescar, leva um e senta nele como apoio.
Odeia. Jazz.
Black Sabbath teve certa influência em seu trabalho, indicou o album Speaky to the Devil do Ozzy, e grandes elogios a Randy Rhoads.
No final quando estava se refestelando com as pizzas perguntei sobre Zappa, disse que odeia. Perguntado sobre download disse: podem baixar a vontade, sem custo, vivemos dos show as gravadoras que se revejam. Seu cd na banca da Sonkey tinha um preço de 20reais, , explicando: é que a gravadora nos passou à 16 reais. Não temos material para divulgação. Quero mais é que me ouçam, cd de divulgação é mais gente te ouvindo. Seus olhos brilhavam quando pintava uma filmadora , éssa e HD, então teremos varias imagens on youtube.

Para abrir a turnê brasileira de Timo Tolkki, foi convidado Daniel Pique.
Daniel um bom mineiro que se preza foi a luta e aos 19 anos e gravou o cd Boo!!
Hoje com 21, esta nas paradas conferindo sua vez. Seu album vem com 9 canções de studio, e muita guitarra, muita produção, muito efeito, muito estudio muita vontade de um dia tocar com Steve Vai, Joe Satriani, Paul Guilbert e outros que lhe estarão lhe esperando lá na frente.



Ele confunde a platéia quando diz que estudou um ano de guitar e parou, seu forte foi se formar em Presidente Prudente, SP. em Produção Musical. Confessa que seu estilo não é muito aplaudido no Brasil, mas faz furor lá fora, na europa. Ele leva a sério o título de um album do Zappa, intitulado: cala boca e toca sua guitarra.

O album conta com apresença de Billy Sheehan no baixo e Mike Mangini na batera. Participaram de graça, só pela passagens e estadia. Pique afirma ser o maior mala postador de E-mails, foi com isso que ele convenceu esses dois gringos a encararem este album, uniu com seus parceiros Yanel Matos e Fabio Laguna nos teclados. Auxiliado por grandes tecnicos de estudios como Brendam Duffey e Adriano Daga. Taí Daniel Pique na estrada abrindo para Timo Tolkki, agora é esperar para ver o que esse minerinho vai fazer daqui prá frente, logo ali não é com ele, é jovem vai longe.

Sensei Norio Haritani

Sensei Norio Haritani nos deixou ontem em Brasilia seu corpo estara em Londrina domingo 13 dezembro. Sensei Norio um dan muito elevado no karate Shoto Kan. Ensinou muita coisa na minha insolente juventude. Como se portar fora do tatami, ser ponderado, ser paciente, respeitar sem temer o adversário, lutar pelos amigos, saber perder e levantar como a cabeça erguida, e que tudo isso não é tudo. Deixa uma academia nobre com seu nome um nome imortal, Associação londrinense de Nyhon Karate Kyokay uma meta a seguir, com alunos formados no maior estilo de vida, a honestidade estaras sempre em nossa lembrança.

Sensei Ossss

Gil engendra


Gil engendra em Gil rouxinol lá pelos anos 1975 perambulava lindo, leve e solto tropicalheando de galho em galho pela florida Curita. Com sua sandalinha de manchão de pneu de caminhão, toda trançada de fitas de couro seco, ia de casa em casa cantando sua canção que dizia sou louco mas não sou maluco não, que besteira sô.
Até que um dia ele bateu de frente com a rapaziada do pimentell. Aí então as coisas ficaram mais coloridas e trançadinhas. As meninas do pimentell & pilikin fizeram de sua juba de leão, um emaranhado de dred's, e aí ele nunca mais foi o mesmo, que besteira cara.
Em 2007 encontrei Gil no Fórum Cultural Mundial, realizado no Rio de Janeiro, organizado pelo ministério da cultura, onde ele brilhou prometendo cultura com menos de 1% da verba de Brasilia. Chegou a levar o presidente até a Nigéria para pedir desculpas por sermos o ultimo país a libertar os escravos. No Forum ele questionava : Temos o melhores palcos, as maiores aparelhagens profissionais, os excelentes músicos, como faremos para atrair o público ? Respondi em silêncio, pipoca algodão doce e água gelada para o público de graça. Seu irmão que estava na cabeça da produção ficou azul-alemão na hora, é isso mermo bixin, coisa de doido, disse ele, que besteira.
ENSAIO GERAL de Gilberto Gil, caixa fabulosa contendo 10 títulos com 12 cd's entre velhos sucessos, grandes lançamentos históricos e faixas inéditas, e fabulosos ao vivo. Acompanham esta caixa metalizada, uma fita igual a do nosso senhor do bonfim, levando o titulo da caixa, um book majestoso, impar, confecção esmerada, totalmente de luxo, textos em ingles-brasil, contando tudo ou quase tudo, com um uma tira de fotos da época dos lp's. Tem um cd bônus com 2 medleys ao vivo no Teatro Tuca-SP, em 1974, um cristal raro intitulado Que Besteira. As canções editadas nos 11 cd's vem do periodo de 1967 até 1977. Lançamento da caixa é para 1998. Raspando tudo quanto é cofre, baús e porões de studio por onde Gil passou. Nada escapou, com certeza. Tem um cd com os mutantes é a obra prima máxima dessa caixa de luxo. Tem duas musicas , Can't find my way home e a título da banda Blind Faith, homenageando Steve Windwood. Banda que nasceu depois que Clapton largou o Cream e Windwood deixou o Traffic, se uniram com mais duas figuras fizeram o Blind Faith que parou no primeiro Lp, proibido pela capa que tinha uma garotinha de doze anos nua brincando com um aviãozinho.
Jimmy Hendrix, e Chuckberry Fields Forever tambem são homenageados, muita coisa gravada em Londres, Gal, Dominguinhos, Maestro Rogério Duprat, João Donato, Cat Stevens, Nara Leão, Caetano Veloso, Jorge Benjor, banda Beat Boys, do grande Tony Ossanah que esteve na Colher de Chá, Lenny Gordin, Bruce Henry, Eric Clapton, todos presentes nesta obra quando ele e Caetano foram convidados a se retirarem do Brasil, em um rabo de foguete no ano de 1969 por causa de uma musica de um tal de louro verde, da Rita Lee.
Gil lançou uma obra imortal, que deveria estar em todos os colégios, todas as rádios, tocando em todos os vira e mexe's das latas. Hei mulata elite do café, ouviu o bater das latas da fé. Parabéns ,Gil merece esta obra com todo louvor. Um dia terei a minha caixa, então o Azylo vai tocar para todas as latas do planeta, e até lá no Mars Hotel. Como sabes o Azylo não é para malucos não, é só para locos.

Agradecimentos :
André Galvão (hoje secretário da cultura de Jaú-SP.) que decidiu que tinha que ser eu para ir ao Forum.
Hugo Pedra por ter cedido gentilmente a caixa.
Colher de Chá - 1º Festival ao vivo de Rock no Brasil - 12/13/Fevereiro /1973
Mars Hotel - Inspiração p/ Azylo Hotel - 3º album dos 123 títulos do Grateful Dead

Presente para Londrina



Neste aniversário, Londrina deveria receber um presente, afirmo e insisto um presentão.

Sugestão 1.- A confirmação exata do dia que iniciará a construção do Teatro Internacional de Londrina, e seus detalhes nobres em revista circulando pela cidade. Detalhe mor, quem poderá usa-lo. O modelo é aquele aprovado em uma reunião do conselho, uma das poucas reuniões em que me senti participando realmente de um programa visionário. O projeto aprovado é digno de Londrina e a cidade merece um presente deste quilate.

Sugestão 2.- Um restaurante chinês construído sobre uma chata, modernamente estilizado, com direito a dragão na proa, dois espaços, em vertical, 30 mesas em baixo e 20 em cima. Podendo se transformar em ambiente para reuniões, congressos e fóruns. Circulando pelo Igapó sempre a noite, ou reservado para aniversário de dia. A prefeitura abre licitações e cria bônus para quem construir e administrar tendo seus próprios seguranças. Nos bons tempos , correu um vapor pela cidade que teríamos um bairro chinês, a insegurança dissipou a idéia.

Sugestão 3.- Um grande festival de três dias, no verde. Unindo espores e eventos. Um grande nome seria o carro chefe, atração maior. De preferência um nome internacional que estaria circulando pelo país. Faríamos uma edição especial em Londrina. O IRONBIKESIDE LONDRINA FESTIVAL. Uma fazenda alugada com área para acampamento, estacionamento, arena para 20mil pessoas, e mais cinco tendas/show para duas mil pessoas cada. Praças de alimentação localizadas. Apresentação de motos voadores. Uma corrida de bike diurna e uma noturna, com 20 camêras gravando e jogando em um , dois ou três canais locados e telões dentro do espaço do festival. Uma pista especial direcionada para esta modalidade. Ingressos via Internet exclusivos através de um banco patrocinador mor. Area totalmente cercada por out-doors pré-locados. Espaços para feiras e exposições. A cidade toda envolvida. Com aval da CIL, envolvimento da Petrobras e quem sabe a Exposição agro pecuária. A idéia é que seja em campo aberto. Três nomes internacionais, 5 nomes nacionais, 10 estaduais e 30 locais. Um woodstock 2010 carregado de esportes. Lembrando que se estas idéias que corroem minha mente diariamente, devem estar circulando em outras mentes com outras idéias parecidas ao mesmo tempo. Você nunca esta sozinho.

E para o Paulão que faríamos ????

Dois caminhões enormes, carregados com uma estrutura de peso, minitratores, aparelhagem de palco uma aparelhagem de luz shokoshow fora de série. Dois caminhões médios carregando material complementar para estruturas internas. Três motor- homes, para vendermos ingresso, e alimentação. Uma tenda enorme ultra moderna, para receber 3 mil pessoas, um palco para absorver toda a tecnologia que levaremos para as apresentações. Dentro do espaço sob a tenda, teremos dois bares interativos, com cyber e jogos eletrônicos, e dancer. Arquibancadas frontais e dois conteiners vazados e fixados nas laterais suspensos para uso da platéia, e camarotes especiais sobre a arquibancada. Bares laterais do palco. Este comboio irá circular pelo Brasil, mostrando a musica londrinense, junto com musicos locais e nacionais. A musica londrinense só precisa da mídia , de uma turne bem organizada e muito som & light. Como faturar com tudo isso : pergunte ao Paulao..... Custos de cada idéia:

Idéia 1 teatro : 70 milhões.
Idéia 2 restaurante chinês: 1 milhão
Idéia 3 festival : 3 milhões
Idéia 4 caminhões : 5 milhões.

Não são minhas ideias, estou filtrando o que corre nas tempestades sobre minha mente nos ventos à 100 mts do chão. Temos que ter um olho no turismo londrinense. Esta cidade merece, o povo também, seremos olhados como uma cidade bonita, de circulação, atraindo comercio. Será necessário uma infra estrutura que já esta sendo iniciada ao redor da cidade que a fará mais bonita. Com certeza o comercio vendera mais, a segurança terá mais motivo para circular.

Ideia 5.- Cilos culturais & desportivos na zona norte e zona sul - Esta faltando piscinas, toda modalidade de jogos, e corridas de fundo. Disponibilidade de locomoção & alimentação. Gente da zona norte treina na zona sul e vice versa.

Idéia 6.- A beira do Igápó ao lado da casa do papai Noel, que deve voltar, bustos de personagens que fizeram alegria para varias gerações; exemplo : palhaço Picolino, alegrou três gerações.

um escritor, um fotografo, um médico, ou dois ou três, eles são nossas lendas. Circularia o 5 estações um ônibus circulando só os espaços turísticos, que teriam sua infra estruturas, banheiros, praça de alimentação, contadores de historias, com telões e espaços cobertos.

Ideia 7.- Um espaço para corridas de cavalos, moto cross, off- road, todas no mesmo espaço.

Vejo Londrina com bastante entusiasmo, com muita circulação e uma grande proteção.

Nunca esquecendo que planos logísticos e boa vontade, é que fazem ideias malucas se tornarem práticas.

Com Amor a Londrina – Parte II

Londrina está fazendo 75 anos de crescimento. Desde quando a Companhia de Terras Norte do Paraná bateu o machado e as enxadas, devastando as terras ao redor da grande matriz. O Orkut do JoséRobertStone, o blog paulaorocknroll.blogspot.com e o orkut do juiz XicoRave, mais conhecido na história como Dr.D'Jervas, nos bons tempos vocalista e harmónica de algumas bandas do rock autêntico made in Londrina. Já que a cidade foi desbravada por entidades inglesas, o rock por aqui, é mais british do que nunca e não esquecendo que o rock foi inventado nos EUA, mas os ingleses fizeram por onde. Se você se ligar acessará os três e conhecerá algumas pequenas mentiras e umas grandes verdades sobre esta cidade, e o que corre pelas ruas, vielas e becos. Longe de mim querer ser porta voz oficial da história desta cidade, onde vivo os meus 60 anos. O mérito ainda é do grande Maurício Arruda Mendonça (o senhor das palavras), que aproveito para agradece-lo pelo texto à mim aplicado, nós crescemos quando pessoas desse nível nos enobrece. Ao mestre das palavras Sir Marcos Losnak, muitas das edições gráficas passaram pelas suas mãos e passarão. Sua poesia em abolição constante no Coyote (revista muito bem editada), que ele pilota junto com Rodrigo Garcia Lopes, nosso enviado em New York City, e Ademir Assunção, nosso poeta de plantão na zona fantasma. Todos eles jornalistas formados que colocam Londrina, no patamar das cidades cult brasileira. Junto com o poeta e jornalista Nelson Capucho, o meu mestre preferido contador de histórias Zezão Makiolke, por onde a história do rádio e da TV londrinense são iluminadas com suas versões.

Com amor a Londrina – Parte I


Em dezembro/2009, Londrina fará 75 anos. Pujante, cresceu forte e no momento está linda!!! Junto ao seu crescimento, o rock também fez valer. Em 2010, vai reviver sua força máxima, impondo seu poder iluminado no pedestal da música. Para relembrar bons tempos revelamos esta foto, uma ótima recordação que dá força total ao movimento. Foto tirada em 1979 no teatro do atual Colégio Londrinense. Uma edição especial da banda Rádio City Band. Nesta época tinha informação no palco, como o título do evento, data e hora para registrarmos na história, com foto confirmando o fato.
Este show intitulado: Ainda n'Estrada... foi inspirado em um álbum duplo, ao vivo do Lynyrd Skynyrd (On The Road Again and More). Como o nosso show, que vinha de um anterior intitulado Pé n'Estrada, que iniciou a trilogia. Terminando em J.J.Guitar&Amigos. Show em homenagem ao “Pés Vermelhos” , clube de motociclista de Cornélio Procópio, cidade master no setor norte velho do Paraná a 57 KM deLondrina.
Na foto temos em 1º plano sensei Clóvis Morais (shoto-kan Norio Haritani), na mesa de costas, Paulao Rock'n'roll, no palco da esquerda para direita, de camiseta branca cumpadi Margraaf, bateria Beto Camargo, de camiseta azul Dr.D'Jervas, na guitarra o saudoso Roberto Pereira (Jorjão Guitarrero, vulgo "J.J.Guitar"), no baixo Beto Pita (atualmente na Banda Municipal de Londrina).Essa foto demonstra a riqueza do rock londrinese, que conheço desde 1966, sempre forte, brincalhão e audacioso. Esta cena é para dar boas vindas as bandas que irão tocar nos palcos da cidade em 2010. Sejam bem vindas !!! Aleluia rapaziada.

A Midias Campeãs



Fico ligado na tv e os comerciais me intoxicam. É uma avalanche de porcarias, mas tem uma ou duas que mostram sinais de inteligência, vejam esta: O garoto nasceu falando caramelo, sua mãe o leva ao psiquiatra, aguardando sua vez de ser atendido,ele encontra na sala de espera outro garoto que diz: Biscoito. Estão se conhecendo, quando sai o paciente que estava sendo atendido, este só sabe dizer: Chocolate. Os três juntos fazem o melhor biscoito recheado do mundo. Os três saem correndo pela cidade como se fossem os The Beatles fugindo das fãs. Cara isso é criatividade!!! Esta agência merece o prêmio Kreatore do Azylo Hotel... com louvor. Por outro lado, tem uma do BB que o personagem pratica a ação e fica na frente do banco, de camisa bege clara... na seguinte mídia vem um cara de camisa listrada aquela que só proprietário de iate de 27 pés usa...ele chega e tira o cidadão de camisa bege fora de cena. Acho que o banco já deve ter mandado tirar. Com meu humilde 10 anos de estatística, apoio a teoria de que evoluímos até 1980. Estacionamos e começamos a digerir esta evolução. Em 2000 iniciamos o retrocesso do cérebro, que esta do tamanho de uma amêndoa e locomove-se para um amendoim, e como diz zappa: não espere o amendoim se dissolver.

Canal Brasil uma forte opção, não percam..é necessário. Esperando o filme; MUTUM, 26/10, 22h.

Dia 14 de Outubro no canal HBO tem Crosby, Still, Nash&Young / Dejavu, o melhor documentário / relatório de uma geração , se liga. O trio que quando juntam com Neil Young, tocam no Azylo Hotel, sempre no sabado 21h e reprise no domingo às 22h com bônus na Radio Web Sercomtel. Tocamos todos os lançamentos da dupla, do trio e do quarteto inimitável e o sagrado 4 Way Street duplo. Os caras gostam de massacrar, de uma só vez estarão no Brasil, o noiado Iggy Pop, o infernal AC/DC e o frenético ZZ Top, onde sou o quarto elemento. Já disse pra vocês que papai noel existe, aí ó. Ele é violento comigo, ou é a minha ultima vez ou deles. Papai Noel sanguinário, sangue bom.

Louco mesmo deve ser a agência que faz a mídia da Coca Cola. A ultima da coca- zero "é possível" tem coisa ali. Os Brainstorm da Agência devem lamber uns dois sapos para cada clip feito, que estão cada vez mais loco. Minha visão: os estúdios ficam em uma caverna, com portões de aço, dentro de uma arca de noé. Os figuras vestem roupas psicodélicas, lambem as costas do sapo, e viajam...O material-piloto do programa HORA D, esta disponível em: http://www.programahorad.blogspot.com/. Mande um E-mail em programahorad@yahoo.com.br. Tem rock ali. Eles contam coma presença do Paulão Rock'n'Roll em um dos blocos, pagando mico, muito bom. Material novo editado para sábado que vem dia 10/10, no Azylo na Radio Sercomtel. Uma edição especial com John Lennon, retirado do DVD: Power to the People. Tem John&Elefant's Memory no Madison Square Garden, NY em 74' contra guerra do Vietnan, tem a jam special feita no Dakota do seu aniversário de 31 anos. Musicas apaixonadas para a Yoko. Eric Clapton&Klaus Wormann em Toronto Canadá'69, com Zappa no Filmore'71, programas de tv alemã com David Peel, uma edição raridade da musica I'm Loosing you, com Bunny Carlos &Rick Nelsen do Chip Trick, tem coisa boa aí. Quando?? Acabei de assistir no youtube, a musica de john lennon : God, ele diz : não acredito no Buda, não acredito em Cristo, não acredito no tarô, não acredito em Elvis e por aí vai, só acredito em John e Yoko, muito dificil fica de aceitar, muito facil de entender. Sábado dia 03/09, canal HBOlight, 5:15h da manhã, assisti um programa com produção BBC, coisa de primeiro mundo. O programa chama-se The Lather Show. Cada banda tinha seu palco um ao lado do outro. Ele entrevista rápido e pede para tocar. A plateia esta sentada em mesas. Uma das bandas foi o Metallica, entrevistado, respondeu que a banda iniciou em 1981, quando Lars convidou Hammett para ir assistir Diamond Head, banda preferida dos dois. O apresentador ainda brincou a respeito da banda ter nascido dentro de uma barcaça que atravessa o rio, todos riram. Lars alegou que ontem estavam em um pavilhão tocando exclusivamente para o fã-clube somente 18mil fãs. Tome uma noção do tamanho deste programa : Metallica, VV Brown, King of Leon, Carla Bunny, Sway e Nicole Atkins, cada um com seu palco, e sua aparelhagem exclusiva. Atenção para VV Brown vai dar o que falar...

Chegou a resposta para o texto das amargosas, quando falo das baleias e seus algozes. O senhor Paul Watson fundador do Grupo Greenpeace, fundou outra comunidade e afunda baleeiras caçadoras de tubarões e baleias. Os tubarões ele só tiram as barbatanas para fazer sopa, devolve-no ao mar ainda vivo, sem barbatanas, os caras são bad, muito bad. Quando Paul não os afunda, impede-os de circularem, obstruindo a locomoção dos barcos e suas redes. Atualmente ele cuida da ilha Gualápagos. Um VIVA !!!! ao grande Paul e os piratas dos mares, com uma única missão de proteger as baleias & tubarões. Hei humanos, Give a peace aos mares, humanos que prometem extinguir as lagostas.

Trilha sonora para esta pág. : The Lost Episodes - Zappa

VIVA é em homenagem ao album VIVA !! do Roxy Music

Lamento das Amargosas


Moro em um pensionato, a parte dos fundos do meu quarto, faz divisa com um quintal onde floresce lindo e solto um Ficus de grande porte, cheio de galhos e um bom volume de folhas. Com mais ou menos 5mts de altura. Nele residem aproximadamente 400 amargosinhas.Elas saem de manhã para o campo onde habitavam por gerações. Era ali que elas se alimentavam , batiam papo, reviam amigos e parentes e até um love no final da tarde pintava de presença para aquele que ficou lhe perseguindo o tempo todo, fazendo o ritual de circulação ao redor dela, a mais importante paixãozinha de asas. No final da tarde retornam para a cidade, já que o senhor do progresso lhe tirou as árvores bem perto de onde elas se alimentavam. Este era o ciclo de vida delas, comer pelo dia adentro e dormir a noite nas árvores onde fazem seus ninhos.Hoje pelo baixo custo das multas o senhorio prefere derrubar as matas, e pagar as multas. Só assim teremos mais terras para cultivar.Pela madrugada, aninhadas no grande e majestoso Ficus, nos fundos do quintal do vizinho elas lamentam, com seu pio em tom grave e baixo volume para não incomodar os que sonham neste momento. Criam um coro de viúvas e abandonadas, lamentando as companheiras&parceiros perdidos na batalha criada pelo homem que as usam como subterfugio, escondendo por atras delas esta luta inglória. Lá pelas 5 da manhã elas iniciam este coro, quando acordo e fico pensando : No meu tempo de criança elas não existiam assim. Será que foi algum laboratório que as criou para incomodar o produtor , fazendo com que eles comprassem produtos para elimina-las e o tiro saiu pela culatra. Elas ingeriram o produto e se multiplicaram, criando trabalho para o secretario do meio ambiente, um jovem promissor advogado que outrora pensava na natureza e agora....tem esta grande dificuldade. Lembro-me de S.J.do Rio Preto, SP. , tinham um problema assim: as andorinhas é que eram as vilãs. Não são mais. As amargosinhas serão eliminadas. Gente tão importante como elas, estão sendo dizimadas em alto mar, só porque são belas e saem fora d'água para embelezar as fotos dos turistas, mostrando suas crias, seus relacionamentos, suas danças, seus carinhos, seus cantos de paixão & procura. Nossos irmãos do oriente não querem saber. Elas cairam no esquecimento, hoje a moda e outra nem Roberto Carlos canta mais... Já houve épocas que caçávamos afros descendentes, judeus, mulçumanos, teve a era das patas dos gorilas, eram só para fazer cinzeiros. Com a proibição do cigarro, talvez diminua a caça. É o ciclo da vida, vivendo e não aprendendo. Assim como no filme, se olhares para o alto verás uma nave se aproximando, dizem que muitas delas não são amigáveis....OSSS.

Arnaldo Baptista no pais do Colher de Chá


Era uma vez...perseguindo os mutantes, que sem querer entrei em uma kombi no bairrro do bexiga, quem, quem estava pilotando, quem.... Arnaldo Baptista, pelos idos de 69/70.

Acabei de assistir os documentario no canal Brasil (17/09). Feito por gente que adora, que venera, que gosta, e que considera-o um gênio.

ARNALDO BAPTISTA (vide foto) aquele que esteve na colher de chá em 1973, lembrando que a colher foi feita em Cambé-Pr. Arnaldo e seus convidados, Tony Osanah, Joelho de Porco e Escaladácida, uma banda que veio louca para tocar e não deu tempo. A colher de Chá foi o 1 º festival'n'grama de rock do Brasil. Vamos relembrar alguns detalhes: J.J.Jorge Guitar (saudoso Jorjão) veio até a mim, ano 72, e disse: o Claudião vai fazer uma festa de lançamento de dez tonéis de pinga, uma reseva especial do Clube Cascata de Cambé. Perguntou se conhecia uma banda que possa levar para tocar na festa. Haully esteva presente pergunte a sua versão... Ai eu disse: Tenho uns amigos que viriam tocar até de graça, quem, quem, quem... Os Mutantes. E foi assim que tudo começou. Para provar seu carisma, tiveram que reunir a banda novamente, e coloca-los no palco, tinha que ser em Londres/2008. Santo de casa só faz um milagre, não repete a dose. Gente que estavam revivendo a Tropicalia, exigiu a volta a qualquer preço uma bagatela de 100 mil libras. Graças ao Arnaldo, é que aconteceu esta volta. Seu irmão-batata Sergio tudo pelo sol. Que confessou no documentário que além dos maldosos jornalistas que vendem a mãe por uma notícia, ele também não acreditava no Arnaldo. Não vou falar do documentário, não não vou falar do seu pseudo suícido, falo com maior orgulho de sua pira que iniciou com a queda do seu orgão hammond na concha acústica do teatro Castro Alves, a concha fica nos fundos, do grande teatro. Para eu e Damunraxo que ficamos incumbidos pelo grande Kemosabe Peninha o direito e a responsa de descer a caixa leslie, numa escadaria de uns 60 degraus, prá cima e prá baixo, na dúvida fizemos os dois. Você que é músico já viu uma dessa, já tocou numa dessa, então sabe do peso que estou falando. O pessoal presente na platéia era a nata da flora&fauna brasileira, e sem dúvidas nenhuma esse pessoal foi ver o Arnaldo. No pique mais alto do show, ele pirou de vez e derrubou seu hammond por cima dele, quando libertado, ele catou uma vassoura e foi fazer um dos primeiros air guitar baiano, e caiu no repuxo que fica entre a platéia e o palco, como estavamos ali no pé do palco, fomos os primeiros a ajuda-lo. Cara !!!! a platéia era a mais louca que eu já tinha visto na minha vida, a maioria fantasiada, no dia seguinte levamos a leslie para o caminhão, quando ficamos sabendo que a aparelhagem era da Rita e ela tinha liberado somente para Cambé. Saímos de Cambé fomos para Santos e terminamos em Salvador. Sérgio foi honesto em dizer que depois do incidente do hospital a familia seguiu em frente sua vida normal (sic!). Os depoimentos no documentário parecem escolhidos, pois todos eles foram brilhantes em afirmar: A vida dele é o palco. Convivi pouco com ele, na sua casa em Cantareira, ele descia cada dia fantasiado de um personagem conhecido, seus músicos, amigos, irmãos e rodies estavam ficando preocupados. Em um deste dias raros que eu estava dentro da casa, ele desceu de Nero.....Seu piano Honk Tonk, ganho do Keith Emerson foi encrustado em diagonal na parede da sala, Ritchie, que compos Menina Veneno, era o líder da banda Escaladácida, estava trazendo a informação de que somente o Arnaldo tinha sido convidado para participar de um festival fechado que o Pink Flóyd faria na Floresta Negra na Alemanha, durante três dias. Fomos para Salvador, eles voltaram e nós ficamos com o Rock Ebó, da Ana Maria que nos levou até a Casa do Jacaré, um point sagrado da ilha de Itaparica antes dela virar, um porto de bilhionários, quando voltamos para sampa, passei na Cantareira e vi sua casa abandonada, o piano queimado por charuto e uma das melhores coleções de vinil embaixo de uma janela aberta, coleção essa toda molhada... Valeu Arnaldo, por ter-me dado a chance de conhecer a capa do vinil feito pelo Lapi... No País dos bauretes, aquela capa só se vê da varanda do seu quarto. Valeu ter conhecido seu jardim de estatuas de cemitério. Valeu ter dado a chance de conhecer meus ídolos, e de ficar perto deles em uma noite em sua casa para escolher o nome da banda da Rita: Secoia senão se pira ou Gary Gambles, estive nessa mesa votando no nome, chovia lá fora, arrastando barrancos... Mas, isso são outras histórias...

Valeu Arnaldo, a vida são várias em uma só.

Uma estória singela

Certo dia na vida de um jornalista nem um pouco famoso, em determinado momento ela piorou de vez.

Leitor assíduo de contos de bruxaria (só por lazer), foi buscar ajuda para melhorar esta sagrada vida inútil que estava vivendo.

Achou dentro de um sebo, um livro marrento, sujo, rasgado, sem capa, faltando algumas vinte e tantas páginas. Alí ele localizou uma velha receita: pedir ajuda ao cramunhão. Foi isso que ele fez: OOHH, grande mestre, ilumine e melhore minha vida, que pare de chover só em mim, em troca leve minha alma mais tarde, bem mais tarde, quero gozar antes... Ascendeu as velas, os incênsos (minha vizinha diz que incenso é bruxaria) sangrou o frango do quintal ao lado dentro de uma bacia de plástico, folhas de erva cidreira, datura e hortelã seca, disse as falas, encerrando o ritual.
Dois dias se passaram, e uma bomba de fumaça se espalhou na sala, dentro da fumaça, saiu, um gordo, velho, ranheta, pigarreando o tempo todo, com um casaco da guerra da Prússia, fumando um cachimbo loco, e chegou vomitando, passando mal, dizendo: estas passagens já não aguento mais, das últimas vezes, passei mal tive até que me internar. Tens uma cama aí para eu descansar? Perguntou o velho viajante do tempo, logo mais faremos negócio, vamos fazer um contrato, vou dormir um pouco, quando acordar traga-me um chá... Dois dias depois sem se levantar da cama, nasce uma verruga em seu nariz, vomitando e passando mal, nosso jornalista entra em ação, perguntando: Como é? Vamos negociar? A resposta veio cheia de tosse, traga-me o fósforo quero ascender este cachimbo, traga um chá que logo vamos conversar, em seguida desmaiou, e a verruga não parava de crescer. Quatro dias após sua chegada, ele disse que estava ainda muito mal, e a verruga crescia... tossiu, tossiu e logo dormiu. Estamos no sexto dia, lindo sol, manhã de primavera, uma verruga enorme saiu debaixo das cobertas e cafungou. Deu dois espirros e o visitante sucumbiu, suas últimas palavras: Estou morrendo... e morreu ! ! ! Moral da estória: Cuidado com quem faz negócio, pois ele pode estar pior do que você...

Inspirado em uma HQ, das minhas coleções, que tive a audácia de levar para dentro do meu casamento, jurando guardar para quando meus filhos nascessem. Aprendendo e se divertindo, eles preferiram se divertir com o pai.

Paulo Cesar Troiano, conhecido como Paulao rock 'n' roll, contador de histórias, muito prazer.

Some Kind of monster


O ÉPICO HISTÓRICO DO METALLICA


Reconhecida como a banda que criou o estilo Thrash. Deu o primeiro soco na briga sobre direitos autorais na internet contra o Napster sendo o estopim de uma bomba que criou o diferencial da banda com seu público e turistas.

Temos 37 takes de conversação, entre a banda e seus neuroticos pesadelos. Se achas que merece estas explicações, o Trujillo entrando na banda, quem ficou até ele chegar, os riff's criados. As neuroses de Kirk, uma pseudo tentativa de se explicar com Mustaine, e sua aparição no estilo Glan metal. Antes de tudo tens que assitir o Get Thrashed, e ver que realmente foram pelas palavras de outros líderes vocalistas. Aqui temos revelações de um épico, de uma história contada. A primeira pessoa do singular será a última a fechar porta.

Metal - A jornada dos headbengers


A copilação completa da saga dos headbanger's está na mão. Me recuso a traduzir "headbanger's" como batedores de cabeças, nem chamá-los de metaleiros, headbanger's ou banger's, bem mais forte, poderoso e direcionado ao tema. (lembrando que escrevo este texto ouvindo Arc Enemy, live in Japan, 2008).

Diretamente do Jaaaaapão, nesta segunda de independência ou morte, com maior respeito, pinta um DVD duplo, oficial, dentro de uma caixa metalizada, revestida e reforçada, com a maior qualidade para meu deleite. Scot McFadyen, idealizador, produtor, escritor e apresentador, criou um mapa do DNA do Heavy Metal. Ele classifica todas as banda pós Cream. O DNA esta aí abaixo... contrariando o limitado Get Thrashed que afirma que tudo começou com o Metallica. O filme Metal vai mais além: Tudo começou com Black Sabbath. O early metal inicia-se com Cream,Blue Cheer, Deep Purple, Led Zeppelin, MC 5, Mountain (maior respeito), The Stooges e Black Sabbath. Um mapa igualzinho a que um louco, gordo, pobre, velho e desdentado, corre solto contando pelos colégios e conchas acústicas da cidade, e que já vai para 7 anos. A história do rock através de bunners, revistas, lp's, dvd pré-editado, e bandas ao vivo que apresentam as novas tendências do velho rock. Tudo isso começou mesmo... Láááá traz no velho e lamaçento "BLUES" . Palavras ditas pelo grande pastor da sabedoria Sabbatistha: Tony Iommi.

Não só ele, mais uma renca de grandes musicos, um deles é o mais respeitados neste documentário: Dee Snider, que encarou sozinho, no processo contra as bandas que contem letras explícitas em seus cd's. A Tin Pan Alley escondida atraz da sociedade puritanista, exigiu em determinado momento do rock que os cd's viria com um selo indicando e alertando o que continha as letras. Cenas mostram Dee na corte, debatendo e perdendo. Lendas contam que o pessoal do Mötley Crue e Zappa estavam lá, as cenas não confirmam. Dee compareceu só...claro com advogados.. e perdeu.

Neste filme voces irão conhecer outro lado de Dee, posso adiantar que Dee, é formado pela universidade Missouri em PHD do Rock, palavras do prof. Michael Budds, com quem tive aulas sobre a historia do rock, quando ele esteve em Londrina ministrando curso pelo Festival de Musica, em 2002. Prof. Michael Budds é prof. na Universidade de Rock, do Misouri, EUA, único prof. que ministra PHD.em rock.

Cena chocante esta dentro do Waken Air Festival que é qualquer coisa assutadora, Scot visita uma feira monstro,com tudo que voce esta afim, discos em vinil, cd's, camistas, posters, artesanato e vai daí... tudo isso dentro do festival. A feira estava lotada, e você ouve a banda tocar la no fundo tipo uns 3kms de distância. Em Get Thrashed, eles impôe a culpa do metal acabar nos pousers, e gritam Kill de pouser. Aqui no Metal, eles estão todos juntos,Vincent Neal do Mötley Crue é bem respeitado. Sem descriminação, sem culpa, porque aqui nada acabou. O depoimento de Alice Cooper é hilário, perguntam quem é o primeiro Metal que ele ouviu, e diz : "Alice Cooper é o primeiro metal que ouvi ".O cara é uma comédia esse tal de Alice " No verso da lata você lê : O METAL É INTENSO & IMENSO, E... YET MOST PEOPLE DON'T KNOW IT EXISTS ' Rob Zombie, voce conhece o Rob, não precisa de apresentação.

Paulao versos Mosh: Nos dois filmes o mosh é considerado de alto respeito para as bandas e elas pelos banger's...Aqui vai a historia do paulao e os mosh's dele : 1º mosh - bar do abelha: Mausoléu/ 91, Paulao e João Gordo, ele pulou e voltou, eu pulei, ele pulou em cima, e o resto da cambada veio junto, teve gente desmaiada. Ultimo mosh: Show da banda: DOMINUS PRAELLI /07, terminado o show, Paulão foi até o palco distribuir uma camisetas, a rapaziada pediu para pular; pé no monitor e salto no ar, a rapaziada pegou e começaram a jogar para o ar e tipo cama elastica subi umas três ou quatro vezes, foi demais, recomendo.



DVD Duplo - 2005 - sem legendas - urgente - necessário - a historia em imagens.....A história continua do teu lado.

Get Trashed


Até que enfim saiu em dvd a história do Thrash Metal, a revoluçaõ do underground, nunca vista neste planeta.

Tudo começou com Metallica, depois Megadeth que esta em tour enquanto vc lê isso. Slayer, Anthrax, o glorioso Exodus. Cenas de clubes , histórias dos donos dos clubs, engenheiros e os próprios musicos levando uma. Sucidal Tendencies, a junção do Trash com o Hard Core, os albuns e suas dificuldades, a relação entre os shows e as tours, o desgaste, as mortes, as bandas alemãs, e o respeito por elas, as de maior velocidades no palco. O mosh, as brigas de gangues. Duas trilhas fundamentais escolhida por todos, Hit the Lightnin' e Blood by Blood. Vocês conhecerão Paul Ballaof, e disse : Minha vó faz mais barulho que vocês e ela... está morta."



"Cara incrível. Quem acabou com o Metal. Quem são os Nu Metal e o New Metal, DJ's e DJgirls contando histórias, cara fiquei chapado de sentir novamente a ira, a força e a velocidade dos musicos, que consideram o Mustanaine como um dos mais velozes. Taí o meu final de semana muito bem acompanhado..Get Thrashed, é de f#@+%¨$#..."

Lançamentos em DVD


Escrevo sobre dvd's piraratas porque sou um consumidor ao extremo.
Acredito piamente que um dia eles irão acabar. Como o senado um dia será em prol do povo.

Os dvds tem alguns detalhes que devem vir a tona. por exemplo;



01.- Sua qualidade é baixa.
02.- Algumas cenas são cortadas, outro não tem o fim.
03.- podem danificar seu dvd quando tem 3,4, ou até 5 filmes embutidos em 1cd.
04.- O vendedor muitas vezes não tem a reposição, acabou esse que esta danificado em suas mãos.
05.-Existem códigos em determinados dvd's que tens que achar......
06.- Já vem dublado, tem que ter opção, ouvir o original é no minimo necessário.

Como em qualquer lugar do planeta o consumo esta incontrolável, sei de dvd's espalhados no chão, na Italia, Espanha, Londres e por que não no Brasil todo.
Por outro lado posso adiantar que tem uns com uma Mídia boa qualidade e o filme tem boa imagem sendo completo, acho que um dia o outro passarei todo esse material para uma videoteca, apesar deles serem pirarats no sentido de não pagar royalties. Tenho a certeza que as produtoras, as distribuidoras e outras mais, fazem negocio e vende escusamente os direitos para que eles sejam comercializado, muito desse filme vem da TV a cabo mundial, impossível controlar.



Vamos alguns que assiti:



01.-INTRIGA DE ESTADO.- juntam 3 big astros de hollyweed, e não conseguem dar impacto a uma historia de jornalismo, onde o heroi é o jornalista, tem gente que gosta, quem? um milhão de jornalistas no mundo, e o gladiador atrai.

02.- INIMIGOS PÚBLICOS.- Christian Bale vem em alto relevo, como carro chefe do filme de Michael Mann. Especializado que é em ser sempre o policial, o bonzinho, quem fecha as cenas é Johnny Deep como Dillinger, tiros de montão, assaltos do começo ao fim, ambientado em 1930, gangsters americano produto exclusivo da L'Amerika de Jim Morrison. bom.

03.- ADAM RESURRECTED.- Uma visão direicionada a um prisioneiro do nazismo de Willem Dafoe, estraga mentalmente um artista iluisionista, com maldades sem limites, apesar de sobreviver não consegue eliminar o mal, como muitos ainda sobreviventes não consegue, Jeff Goldblum muito bem não merece essa dor.Imagens que chegam perto do hiperealismo.bom,bom.

04.-BATHORY.- Elizabeth Bathory, condessa Hungara do século 16 que entrou em minha vida atraves da fabulosa banda de heavy metal que levou o nome de : Bathory, três albuns, fabulosos que passaram pelo programa Azylo Hotel nos bons tempos do Metal em Londrina.Em certa época as Cavalgadas de Valquiria abriu majestosamente o programa. Nessa época fiquei sabendo atravez do povo da Rock Brigade que Bathory foi uma condessa que se alimentava de seus empregados, e que no final de sua vida, deixaram uma fresta no seu castelo para passar sua alimentação diaria. Fez com que eu chegasse a pensar que : cultura tinha esse povo que se alimentavam de seres humanos, beber sangue, de que planeta eles vieram, ainda existem....

05.-JCVD.- O filme explora todo o sentimento que Jean-Claude Van Damme, esta sentido no momento, de suas obras, um Van Damme sem grana, preso dentro de um agência do Correio, despresado, mal amado, saindo do vicio...cara ...o figura foi um super star em determinado momento de hollyweed, e fez um filme assitivel, gostei.

06.-THE INFORMERS.- A principioum filme encima de uma banda. Banda gótica, dark, no grau de um Sister of Mercy.

Tem Billy Bob Thornton (saiu no ultimo dvd do Zappa ) enquanto escrevo , consumo saborosamenmte o clip do slipknot, o hoje o atual rock do dia, sem cenario, sem alegorias, rock é cópia, é velho...neste filme tem Kim Basinger, o imortal Mickey Rourke e saborosa trombadinha Winona Ryder. Uma visão dos new excutivos do rock e uma boa banda tocando de fundo com o famoso e problematico viciado em pussypower & drogas, um atrai o outro, é facil. A banda é boa.

07.-O SEQUESTRO DO METRÕ.- Denzel Washington esta em nove dos dez lançamento prá cinema, juntaram o canalha perfeito John Travolta e...fizeram um filmeco, de cada dez filmes da dupla seis são fracos, soma mais esse.....

08.-LONDRES PROÍBIDA.-Filme diferente no horario de começar o ajito, 8hs da manhã. Pequeno, atravessado, sem estrelas, boas imagens,muita droga e muito Londres.Voce conseguira viver sem.

09.-MENTIRAS E ILUSÕES.-Este é o filme é tipo assim: Descolamos uma grana e vamos mete o pau nela, queimar até o fim.

O personagem de Cuba jr. é fake de cima a baixo, que mal gosto...Christian Slater, acho que ele de comer alguma das mulheres de diretores, todos os filmes ele ganha que absurdo. Voce enguliu aquele com o Travolta, que lutam a posse de uma bombas roubadas muito bem de um avião e...ele ganha. este filme é uma ilusão e uma mentira.



10.-UMA CILADA DE MESTRE.- Este título já é velho, a historia é sem graça, o bandido esta na moda, é o artista da vez, vai chegar por aí uma caixa fechada com este ator.Bom para uma quarta sem graça e muito quente, dormiras quatro ou cinco vezes, mas é bom.

11.-THE HORSEMEN.- Filme feito para alegrar a gastrite do Cachone,o pai irritado, vem aí a historia do apocalipse, os quatro cavaleiros e muita, muita, muita violencia, o que não convence é o algoz, Dennis Quaid invocado por ser o ator ´principal e sem lógica, abandonando os filhos. Tem tantos filmes com este tema: Policial que maltrata os filhos, parece que teremos que inventar logo o rob cop, os humanos estão em deficiencia.

12.-DEN DU FRYGTER.- Filme sueco que debate sobre o tema cobaias que utilizam remedios anti depressivos, o descontrole deles, e os crime que podem advir, boa fotografia, atores frios, e o gelo como temperatura.

13.-PACTO DE SANGUE.- Jean Reno mais uma vez em um drama forte como os que fez e faz, pesado, seco, forte, uma trama incorrigível, vai lá, tem que ver.

Voce diria porque o Paulão fala de filmes em um blog de rock, as musicas que participam das trilhas são puro rock do bom, e as trilha dos credito finais são as melhores, exemplo: Den Du... traz uma mjusica do Neil Young no final da trilha, apresentada por um sueco muito bom, espero que um dia consiga extrair só musicas dos créditos e a´presentar no programa Azylo.

Moshi, moshi

Moshi-moshi... Alô, alô Paulão Rock'n'Roll, (o 4º elemento do ZZ Top - to ouvindo o programa na web rádio nova) parabéns pelo blog, tá cada dia melhor. Bastante conteúdo porém ainda pouco pelo que vc tem a oferecer (rsrs). Agradeço o convite para participar do seu blog, é uma honra. Ainda não sei a frequência das postagens, pois o trabalho aqui no Nihon é puxado e nem sempre terei tempo para fazer novos 'posts', mas sempre que possível estarei trazendo alguma informação, novidade, história, ou mesmo alguma besteira para contribuir. Nesse primeiro 'p ost' trago, pra quem não conhece, um instrumento usado aqui no Nihon chamado 'Shamisen'. É um instrumento de corda com o formato semelhante ao banjo, mas sua característica notável é que não necessita de fricção. Tem uma garganta longa, fina e um corpo pequeno, retangular. Trata-se de um instrumento de três cordas, mas essas cordas não são tocadas com os dedos; um plectro triangular grande (bachi) é usado para golpear as cordas. Possui três cordas de tamanhos diferentes, sendo a corda superior a mais grossa (assim tendo o tom o mais baixo). Existem três tipos de shamisen, pois cada um difere de acordo com a tonalidade das vozes que acompanha.
Veio da China, através de Okinawa e espalhou-se pelo Japão, no qual se desenvolveu independentemente de seu estilo original. Se tornou o instrumento representativo do Japão, desde o período Edo (1603-1867).
Shamisen é usado como acompanhamento em vários tipos de canções. Sua melodia é indispensável ao acompanhamento de peças de teatro kabuki, no e bunraku.

Vamos deixar de papo e mostrar do que esse instrumento é capaz. Segue 2 vídeos fantásticos pra quem não conhece viajar de montão e pra quem conhece também...



Yoshida Brothers - Rising


...saca só essa versão de Smoke on the Water - Deep Purple


Lady Jane

Álbum: Lady Jane - gravação 2005/2006
O primeiro álbum desta banda jahuense, que esta pronta para o mercado fonográfico, colocando Jahu na lista das cidades forte no rock.
Carlos Francisquini, é um exímio vocalista, mago das seis cordas, mestre das harmonicas e autor das letras do cd.
Norberto Rock’n’Roll, é o baixista que pilota um programa da radio local, faz com que o visual da banda traga os bons tempos a tona.
Edinho Calciolari na batera, o ninfeto da banda Paulo Boza na guitar & vocal, preparam o esperado segundo album. Contam com a presença de Junior no teclados, que traz uma linha dinâmica para o Lady Jane, com um suwing elétrico para este segundo cd.
Lady Jane é coisa dos Stones que a banda leva a sério, longa vida a Lady Jane.

Meninos de kichute - o filme


Márcio anda pela cidade, vasculhando os cybers, a mente do Marcio não para.
Agosto dia 13 ele lança seu novo livro na praça: Corações de Aluguel.
Aqui Márcio dedica seu livro ao seu Antonio, seu anfitrião no inferno. Seu personagem é Beto, tem 35 anos de idade, e esta no bar do seu Samuel, que ficava na Celso Garcia, centro de Londrina, uma clientela selecionada passava por ali, a nata da sociedade londrinense: putas, travestis, espianteiros, noiados, poetas. Só gente fina. O bar era o último a fechar (encerrava seu expediente às dez horas da manhã). Este é o mesmo clima da poesia’n’roll tatuada no cd do Bonus Trash, intitulada Dry Londrina. Bônus é freguês do Azylo, dentro de uma barriga de barata no centro da cidade recitando Chacal, ou pedindo permissão para zuar o santo alheio. Em novembro será a vez do filme em rede nacional. O Brasil vai conhecer a Vila Nova e seus garotos de kichute. Cheios de manha, traquinagens, piruetas e pequenas mentiras, garotos marrentos, circulando pela vila em busca de pequenos pecados pagãos. Márcio tá virando escritor de "Hollyweed", seu Corações de Aluguel, tem tudo para virar um filme cult, de beco das garrafas, bem punk, todo junkie, garotão esperto, atacado por uma universitária londrinense a procura de prazeres, tipo vale tudo. Em tempo: As universitarias londrinenses, fizeram o curso do Illinois Enema Bandit do Zappa, são PHd no assunto.
Uma exclusiva minha e Márcio: fui de sonoplasta de uma comédia entitulada Comprei e não gostei, para entretenimento de pessoal em curso em uma Aquativa. Lugar fino, cheio de piscinas e lá vamos nós: em determinado momento comecei a assistir a peça em vez de trabalhar, certo momento: Marcio dizia: e o coração bate forte, só o Paulão que não houve, era a hora de soltar o tum, tum, tum, de um coração e eu só me escangalhando de rir, participando da platéia, solto e levado, e ainda ganhei para isso. Márcio circula por Dry londrina, fique atento, pode ser sua vez.

Paulão e Marina Sábio no dia 19 de julho dentro da programação cultural em Jaú às 18h na Estação do Som - antiga rodoviaria de Jaú



As melhores: Ser convidado do festival de julho em Jaú, foi até agora uma das melhores curtidas que aconteceram na minha vida.
Logo na descida do ônibus havia um personagem a minha espera, e já foi saindo com esta joia rara: Voce é do balé?
Respondi: se o balé tem um cisne negro deste tamanho imagine o pa-de-deux da companhia.
Em seguida pensando que iria para o hotel, duchar, me jogar numa horizontal, heis que me vejo cercado de pessoinhas loucas para irem embora para casa e, encontram uma montanha falando sobre, negros, correntes, liberdade, Nina Simone e Spirituals. Esta foi minha primeira palestra, na rodoviaria em horario de rush, sabe que me deu vontade de colocar o DVD do Rush in Rio em ação ?!?!!?
Jaú é tudo de bom, como um deslumbrado chegando na terra do nunca, me vi envolvido de paparicações, atenção, respeito dignos de um músico.
A partir de 08 de julho a 01 de agosto de 2009, acontece a 18º edição do julho cultural, arte por toda parte, transbordando como enxurrada pelas ruas de Jaú. todos os eventos são gratuito.


dia 18 às 10 da manhã, é a vez de Paulão na praça da república, coisa linda, sol da manhã desbundando, pessoas maravilhosas e flores por toda parte. Uma feira livre circulando a praça. Inicio a palestra para pessoas com alguns meses no planeta até 70 anos de idade, foi show. Todos acreditaram na montanha falante. O elogio forte foi de um descendente afro-brasileiro, professor atleta da cidade. O ponto alto foi quando a banda Lady Jane (http://www.ladyjane.com.br/), iniciou sua apresentação. Uma puta banda de roqueiros sobreviventes dos bons tempos, e ainda guarda o tudo de bom desta época. Gravando seu segundo álbum, o primeiro esta no Azylo Hotel todo sábado/domingo pela rádio sercomtel. Do nada surge um andarilho que me diz: Sabe quem fez o arranjo original para esta música que o Lady Jane toca, perguntei, quem? ele falou: Nick Hopkins, um pianista de studio que participou dos primeiros LPs dos Stones. Por ser muito caro não seguiu a banda em turne. cara, isso me deixou abarroado, um andarilho que conhece Nick Hopkins, em Jaú, quem é este cara... conto tudo em: a saga do Big in Jaú, Big é como me chamam em Jaúúúúú, It’s only rock and roll but a like.

A saga do Big em Jaú


Paulão com um dos produtores do Evento na Estação do Som


Sábado/18 - 22h – local: JAÚ CLUBE. Um porte estrutural arquitetônica eclético que impera na cidade de 175 anos de existência. Salientando alguns prédios em art-decor. "Gosto de curtir as igrejas, a matriz é gótica e gigante." Em meio de uma praça, que ainda não foi cercada de grades como muitas no interior do estado. O visual da cidade é monumental, tendo uma lei que os protege dos emergentes que insistem em derrubar a história, em Jaú eles dançam e dançam feio, suas obras embargadas fazem parte do cenário triste da cidade. O Clube de Jaú domina uma esquina central da cidade, uma escadaria vertical que te leva até o salão nobre do clube. Não sou um vidente do CSI, mas juro que imaginei a nobreza dos áureos tempos de 1930, 40 e 50, desfilando aquela elegância, a pureza da linhagem. Fineza que só os clássicos tem. Para abrir o show de blues, a rapaziada do Blues De’Ville, um verdadeiro blues de veludo azul, rasgado nas linhas férreas da estação do som. De’Ville é um caso especial, um show completo, seus discos estão esgotados, sua presença é marcante, sua apresentação é cheia de cenas de um vocal que tira de uma gaita em dó. Todo o balanço dos anos cinquenta, fazendo siluetas dignas de um velho bluzero. Quando fiquei sabendo que naquele minúsculo palco tinha estado o magnifico, o imortal VILA LOBOS, aí deu febre, subi no palco e apresentei a próxima banda: Jigo Dog Blues Band, o blues salgado de Londrina, estava a vinte centímetros do chão, planando de emoção... Aíííííí Jaúúúúúúú, it’s only rockn’n’roll, but a fuck'in all do time, about this. Desci as escadarias, ali pela 1:14 da manhã quando chegava a polícia para saber quando seria o fim, cara!!! Quando pinta a polícia, é porque o evento é bom...
Domingo/19 – 16h – Estação do Som – Mais um monumento da cidade. Não se tem mais acesso a linha férrea, existe um isolamento, não se pega mais trem ali. O prédio é poderoso, e lá venho com a sensação de vidente do CSI, as bilheterias, as salas e seus departamentos, o banheiro que perguntei porque não foi isolado, ainda se usa normalmente, um banheiro da época, a engenharia das patentes, só vendo, os mijadouros verticais são inesquecíveis. Um palco foi montado em frente o bar que respira até hoje o teor etílico que foi festejado neste dia. Cinco bandas locais, iniciantes com presença forte de que serão um dia, uma tinha um guitar, outra tinha um vocal, aquela um batera, em determinado momento, fui apresentar uma delas quando iniciei a fala, fazendo uma projeção no futuro, dizendo que estava chegando a vez de se ouvir as músicas próprias e que o vale das couves estava findando, vi uma serpente de fumaça no horizonte, chamei o vocalista da banda e apontei: Vejo em sinais de fumaça dizendo que uma nova era esta chegando, a era da música própria, a platéia foi ao delírio e o vocalista também, e quando a platéia se tocaram para olhar esta realidade, a fumaça se dissipou no céu, uma cena delirante com certeza. Quando fomos apresentar a banda convidada os Bufalos D’Agua , iniciou um vento em alta velocidade que os pratos da bateria chegava a obedecer sua ordem de caos, ventos que quase carregaram o saxofonista. Neste momento fiz a última profecia: Em posição de surfista imaginário, bradei: Nos gostamos de surfar em altas tempestades "vem ni mim" senhor dos ventos uivantes que vamos surfar ao som dos Búfalos encharcados, mas isso não foi tudo, no final da apresentação, heis que surge em segredo como um dragão, como um grand funk railroad, o grande barato da estrada de ferro, com quatro composições arrastando uns trinta vagões, passou indiferente a nós e sumiu na noite, deslizando os trilhos silenciosos.

JULHO CULTURAL ainda continua até 01 de agosto próximo. Com teatro de rua, hip hop fest, workshop de Luis Felipe na guitarra, espetáculo de circo, corda de barro, menestréis, orquestra de sopro de Lençóis Paulista, o poderoso Trio Tamoyos, tributo a Elis Regina, e vai por aí... Agradecimentos ao Morais, diretor geral ao Betinho, direção musical, Calebe, imagens. Produção: Maila Faracco, Silvia Carignato, Marçal Troiano da linhagem dos Troianos de Campinas, ao grande Andre Galvão mentor desta epopéia cultural, enriquecendo mais a 18º edição que ficara na história de Jaú. Voces sabem bem; história é com Jaú.

Poema Mário de Andrade -